Fake News: Dilemas algorítmicos, pós-verdade e o futuro do jornalismo no SXSW 2017

Vivemos a tempestade perfeita para quem produz notícias e conteúdo. Isto você já sabe, mas não custa relembrar:

Fato 1: Quanto mais as pessoas se informam via mídia social, menos são capazes de distinguir a fonte das notícias;

Fato 2: O efeito do filtro bolha, que nos isola em círculos de pessoas que pensam como nós, faz com que tenhamos uma relação cada vez menos preocupada com a verdade do fato;

Fato 3: se os grandes players (aka Google e Facebook) tem seus modelos de negócios ancorados em audiência e engajamento (que inevitavelmente aumentam com o buzz de notícias sensacionalistas e falsas) , não é -ou não era- prioridade criar mecanismos de prevenção e punição aos autores de notícias falsas.

SXSW, evento global mais relevante para quem trabalha com comunicação e tecnologia, será o palco das discussões sobre este tema.  Após o conceito de pós-verdade ter sido eleito como o termo mais relevante de 2016 e a especulação  de que as notícias falsas alavancaram a eleição de Trump , ficou claro que este “desprezo” pela verdade dos fatos influencia a forma como produzimos, consumimos e disseminamos informação. E isso nada mais é do que o epicentro da sociedade em rede. Em outras palavras, isto influencia tudo. Tudo mesmo.

Há mecanismos para nos assegurarmos da verdade? Sim, ou ao menos é o que a sessão A Post-Truth World? Nope – We Can Fight Fake News vai tratar: como o público percebe as notícias falsas e como a indústria pode agir para garantir que a verdade prevaleça.

Eric Carvin, editor de social media da The Associated Press , estará neste painel. Ele é um dos líderes da indústria que tem acesso direto ao dashboard do Facebook que permite às organizações editarem os conteúdos que estão sendo indicados como falsos pelos usuários (em dezembro, o Facebook finalmente lançou um plano para frear a disseminação das fake News, fazendo parceria com diversas instituições, incluindo a The Associated Press).

Se você vai ao SXSW e quer um tête-à-tête com este gigante que está construindo a nova forma de editar notícias, corre nas sessões de mentoria. Quando eu me inscrevi, ainda tinha duas vagas!

Sobre algoritmos e bolhas

É bem verdade que estamos testemunhando o lado obscuro da liberdade de expressão turbinada pelas mídias sociais, pois o anonimato e a segurança do “filtro bolha” alimentou uma corrente de ódio nunca vista em meios de comunicação dito tradicionais. É bastante óbvio que o ódio e a manipulação são elementos centrais na construção do fenômeno da pós verdade. Esta abordagem será discutida na sessão Media vs Fakers & Haters In the Post-Fact Era, tentando responder à inevitável tentativa de responsabilização por este fenômeno. A “culpa”é dos haters? Dos usuários? Do Facebook? Ou da famigerada entidade sobrenatural que nos referimos como “a mídia”?

Ainda parece que não elaboramos bem a ideia de que quanto mais aberta a rede, mais nos fechamos em nossas bolhas – e é necessário endereçar esta preocupação na própria forma como as mídias sociais funcionam. E aí não tem como não falar em algoritmo. Em busca de “curar” a visão algorítmica da vida, a sessão  Echo Chambers: Healing Our Social Media Algorithms vai tratar questões como a definição de critérios para julgar a qualidade e a credibilidade das fontes em um contexto em que o público despreza as instituições tradicionais de mídia.

E já que as eleições é que causaram o furor em torno do tópico, vale também olhar especificamente para a sessão How Filter Bubbles Affect Media and Elections . No mais clássico estilo “comentarista de resultados”, esta sessão busca compreender WTF JUST HAPPENED? e promete “olhar por trás da cortina do algoritmo de NewsFeed do Facebook e ver como ele mudou todo o cenário de mídia nos EUA e no mundo”. Quem não gosta de uma visão de bastidores, ainda mais quando se trata da caixa preta do algoritmo do Facebook? Já está nos meus favoritos!

A programação do SXSW também aborda o fato de que as notícias falsas tem um tom sensacionalista, marcado pelo discurso de ódio e exclusão A sessão Why Tech Must Lead on Diversity and Inclusion Now tratará sobre a responsabilidade da indústria da tecnologia, que “permitiu o advento das notícias falsas e ainda desenvolveu algoritmos que reforçam as bolhas de conhecimento”. Será que isso tem a ver com o fato da indústria da tecnologia ser largamente liderada por homens brancos, heterossexuais, jovens e sem deficiências? Sim ou com certeza? Neste painel, serão abordadas estratégias possíveis para priorizar a diversidade e a inclusão na agenda das tech companies.

E agora, José?

Para um novo cenário, é necessário novas soluções, por isso é interessante entender os novos experimentos envolvendo a automação do jornalismo e como os “fact-checkers” estão pesquisando soluções. Aí você fica sabendo que existem bots e grandes dashboards já em andamento, bem como ferramentas de fact-checking para live TV com pop-ups (será que é o fim da manipulação na imprensa? #oremos!)

A sessão How Bots are automating Fact-Checking definitivamente é um must-follow, pois vai abordar e compartilhar estas soluções. Nesta sessão, teremos a presença do Alexios Mantzarlis , nada mais, nada menos que o coordenador global da International Fact-Checking Network. A Poynter está liderando uma rede de pesquisas, soluções e parceiros, e foi a instituição que o Facebook procurou para se associar para sua solução de indicar conteúdos falsos na rede de forma a incentivar a responsabilização do usuário na disseminação das notícias falsas.

Neste contexto, vale a pena também espiar uma sessão daquelas menorzinhas (veteranos do SXSW sabem que estamos sempre em busca dessas pérolas escondidas) onde temos experiências de pessoas que estão inovando, como o Schibsted Media Group, que implementou o feed de notícias 100% via algoritmo. Estaremos lá e depois contamos tudo: When the Algorithm Is Running the News.

Se você quer saber quem está à frente das soluções, outro must-follow é Shailesh Prakash, Chief Product and Technology Officer of The Washington Post. Responsável por todos os aspectos de desenvolvimento de produto do Post, sua gestão levou a empresa a um enorme crescimento na seara digital e a ser reconhecida pela Fast Company como uma das mais inovadoras do mundo em 2015 O que não é pouco, considerando o desafio da disrupção para os grandes publishers. Na sessão Predicting the Future of News: A CTO Perspective ele compartilhará sua estratégia de plugar engenheiros no newsroom para criar narrativas mais engajadoras com o timing da internet.

Ainda sobre gigantes, é sempre bom ter uma visão menos ingênua e lembrar que este é um jogo de grandes players. A sessão GAFA: The Relentless Rise of the Tech Giants vai explorar como o advento das “big four”(Google, Apple, Facebook e Amazon) e sua crescente concentração de poder afeta todos os aspectos das nossas vidas, notadamente a explosão das fake news e suas consequências.

Parece mentira…e muitas vezes é!

Algoritmos, bolhas, ódio, verdade x mentira, grandes empresas e muito dinheiro envolvido. Parece trama de novela, mas é o plot das Notícias Falsas.

Qual será o futuro do jornalismo?

Como os grandes players vão se posicionar frente a este desafio?

De que forma podemos educar os cidadãos a serem mais responsáveis pela disseminação de notícias?

Grandes publishers parecem ter uma simples resposta: mais e melhor jornalismo. Mas em um mundo de crescente indiferença frente às instituições como governo e imprensa, faz-se necessário uma atuação em rede.

Como construir esta rede no novo paradigma da comunicação para que a verdade prevaleça? Estaremos em Austin na caça por estas respostas. Cada centavo de contribuição neste assunto vale a pena, afinal, estamos no meio de uma mudança de paradigma na forma como acessamos, consumimos e produzimos informação. E já falei que este tema influencia tudo, tudo mesmo?

Este é um artigo da série Hot Topics SXSW, parte da pesquisa do Trends Report SXSW 17 – uma iniciativa que visa compilar as principais tendências deste evento que pauta a comunicação interativa no mundo. Se você se interessou por este produto, entre em contato conosco para saber dos formatos de disponibilização, palestras e workshops sobre o tema.

Autoras: Luciana Bazanella ([email protected]) e Vanessa Mathias ([email protected]

Design: André Barbosa ([email protected])